Como escolher uma instituição e um professor para fazer doutorado sanduíche fora do Brasil?

Essa fotinho linda é da University of British Columbia, a UBC. AKA a Universidade que eu vou! Essa linda, maravilhosa, que não conheço ainda pessoalmente, mas que já considero tanto! (a foto logicamente não é minha, peguei no google)

ubcs.jpg

Quando comecei a pensar para onde eu iria, fiquei um tanto frenética atrás de informações sobre como funcionava em si o sanduíche. Não sabia ao certo como se davam procedimentos básicos como mandar uma carta para o professor, para quem mandar, como procurar alguém da minha área… Na época eu passei pelo complicadíssimo caso de mudar de orientadora e ainda por cima trabalhava full time como professora substituta na UFSC. Lotada de trabalho e sem uma orientação, eu não tinha muito com quem contar. Sozinha no mundo fui atrás de informações na internet.

Mesmo depois de arrumar uma orientação legal, as recomendações não vieram. Como o meu estudo é interdisciplinar, infelizmente ninguém do meu departamento conseguiu me colocar em contato com um professor na minha área de estudo. Porém, que fique claro que o meu caso é/foi uma exceção. Geralmente quem indica uma universidade/professor para o sanduíche é o seu orientador no Brasil. Quase sempre é algum profissional que essa pessoa conhece ou já trabalhou. Em 85% dos casos (de pessoas que eu conheço ou ouvi falar sobre) funcionou dessa forma. O orientador indica a pessoa, coloca o aluno e o professor fora do Brasil em contato e os dois se acertam.

Forever Alone, eu comecei minha busca procurando artigos sobre o que eu estou pesquisando. Fui via google mesmo. Quando eu achava trabalhos interessantes, parava, lia, anotava o nome da pessoa e seguia em frente. Passei uns três meses fazendo isso no meu tempo vago. Como minha intenção era ir para os EUA, eu selecionava apenas acadêmicos de lá. Cheguei a uma lista com nove nomes. Coloquei eles em ordem dos que eu mais queria trabalhar. Era hora de entrar em contato com eles, começando pelo topo da minha lista.

Procurei pela internet inteira como era uma carta de apresentação. Achei pouquíssimas referências. Acredito que essas dicas são melhores do que um modelo em si:

  • Pense em um email pequeno, básico, com no máximo três parágrafos.
  • Se apresente brevemente.
  • Fale por cima do seu trabalho, se o professor se interessar pedirá mais detalhes
  • Seja agradável, não pressione a pessoa a te aceitar
  • Não mande email com erros…  (Tenha pelo menos o trabalho de passar o email no word e verificar se tem algum erro. Você vai enviar o email em outra língua, mas isso não é desculpa para escrever errado. Pense a primeira impressão que um email todo cheio de erros vai causar!)

Pedi também que uma colega me enviasse a carta que ela mandou para o orientador dela no exterior. O email dela me deixou mais tranquila, vi que o meu estava semelhante e isso me deu mais confiança.

Na hora H, fiquei em dúvida entre enviar o primeiro email para dois professores. Uma era um sonho na terra, o ícone na minha área de pesquisa. O outro tinha a pesquisa muito interessante, mas não tão importante para a minha pesquisa quanto a outra professora.

Como eu tinha ouvido falar maravilhas do segundo professor, optei por ele. Na academia a gente aprende que muitas vezes é melhor estar com um professor que a pesquisa não é tão relacionada com a sua, mas vai estar do seu lado e será uma boa pessoa do que optar por alguém que é a cara da sua pesquisa, mas levou o sistema lattes muito a sério e que se tornou uma pessoa insuportável de viver ao lado. Novamente, falo por experiência própria.

Por fim, a escolha da Universidade acaba sendo uma consequência da professora que você escolhe. Claro que uma boa Universidade é importante, mas consequentemente se você escolher uma boa professora provavelmente ela estará em uma boa instituição. Pessoalmente, eu confesso que o lugar da Universidade em questão estava longe de ser um local que eu gostaria de morar. Mas como se tratava de um professor excelente em uma instituição que está entre as 50 melhores do mundo, eu não tinha como reclamar.

Bem, no próximo post eu continuo a minha história de como entrar em contato.

 

 

Advertisements

One thought on “Como escolher uma instituição e um professor para fazer doutorado sanduíche fora do Brasil?

  1. Pingback: Calendário de Planejamento de Viagem (parte 1)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s